"A reflexão não tem lado predefinido e não se apoia em binarismos." Convidamos você eleitora e eleitor a uma reflexão sobre a importância das eleições legislativas. Conheça e participe da Campanha: "A Lição de Casa da Cidadania".
Procurar no site:
   Cidadania e Reflexão / Cidadania
A Lição de Casa da Cidadania (campanha)
Memorial do Cidadão
Cidadania
Educação
Política
Utilidade Pública
Entidades e Serviços
em destaque
Agente do Estado vem à público defender racismo e homofobia sem constrangimento
Da reportagem de Brasil 247

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, defendeu neste sábado, 27, o veto de cunho racista ao vídeo de campanha voltada ao público jovem por determinação de Jair Bolsonaro.

Ele disse que o episódio tem que "ser visto em um contexto mais amplo em que se discute a questão da diversidade no país".

"Durante décadas, a esquerda brasileira deflagrou uma guerra cultural tentando confrontar pobres e ricos, negros e brancos, mulheres e homens, homo e heterossexuais etc, etc.

O "empoderamento" de minorias era o instrumento acionado em diversas manifestações culturais: novelas, filmes, exposições de arte etc., onde se procurava caracterizar o cidadão "normal" como a exceção e a exceção como regra", disse Novaes à BBC Brasil.

Presidente do Banco do Brasil afirmou também que, nas últimas eleições, "diferentes visões do mundo se confrontaram e um povo majoritariamente conservador fez uma clara opção no sentido de rejeitar a sociedade alternativa que os meios de comunicação procuravam nos impor".

De Cidadania e Reflexão:

A lamentável mas reveladora declaração do representante do governo Bolsonaro deixa claro o que o governo pensa sobre a existência de uma "norma" social que este acredita que deva ser preservada.

A norma em questão é aquela já vastamente conhecida por setores da sociedade discriminados e colocados à margem: é a norma que coloca no centro da sociedade o indivíduo branco, heterossexual, cristão como sujeito ideal e central na sociedade e lança para a marginalidade indivíduos que não se encaixem neste pretenso padrão ideal de ser humano.

Isto fica explícito quando no discurso o presidente do Branco do Brasil se opõe a promoção da igualdade na diversidade como uma política de “esquerda” que deve ser combatida, portanto, justificando o veto racial presidencial a campanha do banco na televisão, por parte do presidente da república.

A justificativa para a ação de política racista é que "diferentes visões do mundo se confrontaram e um povo majoritariamente conservador fez uma clara opção no sentido de rejeitar a sociedade alternativa que os meios de comunicação procuravam nos impor".

Em outras palavras, Ruben Novaes, representando o governo Bolsonaro chama o respeito à diversidade racial e sexual de “imposição”, dizendo que a sociedade conservadora deu legitimidade a este governo para que sejam caladas as chamadas “minorias” por meio de suas políticas.

Em poucas palavras: racismo e homofobia dentro de uma ideologia hitlerista, que agora começa ser coloca à luz do sol e sem constrangimentos, por parte do governo Bolsonaro.
Nesta visão de mundo, "empoderar" pobres é "guerra cultural da esquerda" e a promoção da cidadania coloca em oposição o que ele chama de "diferentes visões de mundo" ;

Estes agentes do estado representam quem?

Ricos? Igrejas? Alguns políticos? Cidadãos de bem? Direita? Deus? Demônios?


A.L.Carolli – Cidadania e Reflexão


O Artigo "Agente do Estado vem à público defender racismo e homofobia sem constrangimento" está listado em "Cidadania"
Leia também:
Lava - Jato
Advogado denuncia sistema forjado
Denúncia de provas forjadas na Lava-jato
Política
Camaleão
A bomba ter estourado em Temer e Aécio não prova que a Lava Jato não é parcial, diz professor da UnB
A Lição de Casa da Cidadania (campanha)
Bolsonaro devendado por ele mesmo
BOLSONARO COMO ELE É: A ANÁLISE DO DISCURSO DO CANDIDATO















Quem somos Cidadania e Reflexão ® - Copyright Contato